Eventos PÓS PANDEMIA [ 8 tendências para você ficar ligado]

Depois de um ano novo repleto de boas expectativas em que nossa economia iria voltar a crescer de fato, veio a COVID-19 e atingiu em cheio o mercado de eventos e turismo.

Neste artigo, quero apresentar a você profissional de eventos, algumas tendências para o mercado de eventos pós pandemia e o que você precisa fazer AGORA para estar preparado para retomada dos eventos.

Hoje, passados um pouco mais de 2 meses de isolamento social nos deparamos com questionamentos como: até quando vai este isolamento social? E a economia, não está na hora do comércio retornar? E a saúde, quais protocolos e cuidados devemos ter?

E em meio a estes questionamentos, nós que trabalhamos com eventos, perguntamos: e os eventos voltam? Quando? Como? Quais os protocolos a serem seguidos?

Pois bem, o que sabemos é que o setor de eventos foi o primeiro a parar e será o último a retornar. E o motivo é simples. Nosso setor resvala em dois pontos cruciais na propagação da COVID-19: deslocamento e aglomeração.

A COVID-19 infelizmente será protagonista em nosso país nos próximos meses até que o índice de novos casos realmente diminua e, o número de pessoas recuperadas seja maior do que o número de pessoas infectadas.

Há ainda a preocupação da possibilidade de uma nova onda da doença quando as pessoas voltarem a transitar.

Diante a este cenário, diversas entidades e associações do setor de turismo e eventos tem conversado a respeito, como podem conferir no compilado feito pelo produtor de eventos Murilo Sola no vídeo abaixo:

E analisando esta movimentação do setor e do mercado, tudo indica as seguintes tendências:

TENDÊNCIAS DE EVENTOS PÓS PANDEMIA

O setor de eventos só retornará 100% quando tivermos de fato uma vacina eficiente no combate à doença. Estima-se mais ou menos 2 anos, considerando o tempo médio para criação de uma nova vacina.

Claro que há uma corrida contra o tempo com diversas equipes espalhadas pelo mundo em busca de viabilizar a vacina num tempo menor, como podemos acompanhar nos noticiários.

Vamos torcer para que isto se concretize logo. Mas enquanto a vacina não é apresentada ao mundo, muitas empresas e negócios estão se adaptando para sobreviver ao “novo normal”.

Considerando estes aspectos, apresento 8 TENDÊNCIAS DE EVENTOS PÓS PANDEMIA:

1) EVENTOS DE GRANDE PORTE, FESTAS E SHOWS

Aqui me refiro aos eventos que tem a característica de atrair multidões e demandam um alto grau de planejamento logístico. São eventos com uma estrutura de produção muito mais complexa (Exemplos: Rock In Rio, Loolapalozza, Vila Mix Sertanejo, grandes feiras e congressos, etc).

Já existem atualmente diversos sinalizadores quanto a impossibilidade para realização destes eventos em 2020. Muitos inclusive tiveram suas datas prorrogadas para o calendário de eventos de 2021. Outros foram cancelados e não tem previsão quanto a realização do evento, pois aguardam definições governamentais ou a normalização das coisas.

No caso de feiras e congressos nos deparamos com a questão calendário. As feiras e congressos são, normalmente, programadas com 1,5 a 2 anos de antecedência.

Realocar os eventos do período em que estamos em isolamento social tem sido o grande desafio, pois além de não haver data disponível, temos a incerteza de quando irá retornar e quais os procedimentos de Security Check devem ter e, por fim, se o momento é comercialmente propício para tal.

O fato é que os grandes eventos podem contribuir, e muito, para propagação do coronavírus. Como ainda não existe uma vacina, a viabilidade torna-se incerta. Temos que observar e aguardar.

2) IMPLEMENTAÇÃO DE SECURITY CHECK NOS EVENTOS

Security Check são as recomendações e os protocolos de saúde e de segurança respaldados juridicamente e em conformidade às orientações da OMS (Organização Mundial de Saúde) e/ou do Ministério da Saúde, elaboradas pelas empresas contratantes, patrocinadores, produtores ou organizadores do evento.

Estas recomendações e protocolos tem o objetivo de não gerar um ambiente de aglomeração e deslocamento em massa que propiciem o contágio da COVID-19, como também as ações preventivas.

Quanto às medidas preventivas a serem adotadas, não há um consenso no que se refere a quais medidas devem ser tomadas e se essas serão suficientes. O que temos até o momento são medidas que vem dando certo no controle da doença em ambientes controlados e restritos. (Exemplos: medição de temperatura, tapete higienizador, cabine de desinfecção, máscaras, álcool em gel, etc).

Lembrando que cada evento deverá ter seu próprio manual a ser seguido por toda a cadeia que nele trabalha, ou seja, colaboradores da empresa, produtoras e fornecedores de eventos.

3) EVENTOS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

A tendência é que os eventos de pequeno e médio porte já retornem a partir do segundo semestre de 2020, como por exemplo o Festival de Cinema em Gramado/RS, o III Simpósio Internacional de Segurança no Distrito Federal, eventos regionais, entre outros.

Até lá, há a necessidade de adaptarmos para o online. Muitos tem ajustado e adequado as apresentações musicais, encontros, palestras, reuniões para LIVES em redes sociais e/ou aplicativos de videoconferências, como o Google Meeting, Zoom, Skype.

4) EVENTOS CORPORATIVOS OU COM PATROCÍNIO DE EMPRESAS

Os eventos corporativos ou com patrocínio de empresas terão um nível de exigência muito maior para com os organizadores e fornecedores envolvidos no evento, quanto as recomendações e os protocolos de saúde e de segurança a serem seguidos nestes eventos.

Sim, teremos que nos adaptar a este novo cenário e seguir as recomendações de Security Check de cada organização se quisermos garantir o patrocínio destas empresas e/ou atuar com eventos corporativos.

5) EVENTOS LOW TOUCH

Enquanto a vacina não é apresentada ao mundo, muitas empresas e negócios estão se adaptando para sobreviver. Boa parte das empresas estão migrando para o online.

Há aqueles que optaram pelo o modelo Low Touch e estão migrando seus eventos para 100% online, proporcionando total conveniência ao usuário, como é o caso dos encontros e cursos, agora totalmente no online.

A propósito, Low Touch é o modelo de negócios em que não há o contato humano, ou o mínimo possível, as interações são realizadas através da tecnologia, que podem ser automatizadas ou não. Um exemplo disto é o aplicativo Houseparty.

Com o isolamento social, as LIVES estão em alta. Diversos artistas estão adaptando suas apresentações para as mídias sociais, cada um na sua casa. Mas e a interação do público, como fica?

É ai que o aplicativo como Houseparty entra, pois propicia encontros através de videochamadas em grupos na qual as pessoas conseguem interagir e curtir as LIVES juntas.

6) EVENTOS HÍBRIDOS

Há aqueles que irão optar pelos eventos híbridos, ou seja, num primeiro momento online e, assim que possível, também no offline.

Um exemplo, são os aplicativos e páginas de turismo, que permitem um tour virtual como uma prévia da experiência. Podemos conferir na prática visitando os sites do museu do Louvre e da Torre Eiffel, em Paris.

7) DRIVE-IN

Ressurgindo da década de 30, o drive-in se mostra uma forte tendência em tempos de Coronavírus. Se trata de um formato de evento offline que torna um espaço de shows ou grande área aberta em um espaço de entretenimento drive-in, com o uso de veículos por parte do público, mantendo o distanciamento social.

Exemplo disto foi uma rave promovida por uma das maiores boates da Alemanha, a Index. Ou então o projeto “Planeta Drive-in” da Pedreira Paulo Leminski, em Curitiba, com sessões de cinema, shows e lives.

Recentemente, o restaurante Madalosso de Curitiba (Maior das Américas) também aderiu a esta nova tendência como forma de retomar as suas atividades e de promover um serviço novo, agora com muito mais entretenimento para os seus clientes.

8) REINVENÇÃO DO SETOR DE EVENTOS

Se as tendências de eventos pós pandemia apresentadas darão certo ou irão se manter nestes formatos pós COVID-19 só o tempo dirá, pois depende de variáveis como: usabilidade da tecnologia, engajamento do usuário, valor da proposta, viabilidade financeira, leis, segurança, entre outros fatores.

Mas uma coisa é certa, com tantos negócios tecnológicos, novas experiências estão sendo proporcionadas através da realidade aumentada e da plataforma online. Com isto, a qualidade de produção tende a ser cada vez mais alta. Portanto, não deixe de aprimorar seu conhecimento.

Recomendo a leitura do artigo “O NOVO PROFISSIONAL DE EVENTOS”. A artigo aborda bem estas questões e o que temos que fazer AGORA para podermos estar a frente como profissional de eventos. 😉

MAS E OS EVENTOS COMO CONHECEMOS ANTES DA COVID-19, VOLTAM?

A resposta é SIM! E sabe o porquê?

Porquê, como diria Jonah Berger em seu livro Contágio. “Por que as coisas pegam”. Tudo o que é ESCASSO, atrai a atenção das pessoas e, isto, por sua vez, atrai INVESTIMENTOS. Calma, vou explicar.

Durante a quarentena estamos vivendo em um momento de dura PRIVAÇÃO. Privação de contato interpessoal, de viajar, de adquirir conhecimento (escolas, universidades e afins fechados) e, principalmente, privação de EXPERIÊNCIA PRESENCIAL.

Assim que permitido, as pessoas vão procurar por encontros, viagens, congressos, shows e eventos. Tudo a seu tempo. Assim, podemos afirmar que 2020 tinha tudo para ser um ano bom em termos de eventos e não foi (dificilmente será).

Mas, em contrapartida, 2021 e 2022, quando provavelmente já teremos as vacinas disponíveis, o setor de eventos retornará com força total.

Lembrando que em 2021 teremos as Olimpíadas de Tokyo, que antes mesmo desta pandemia já tinha uma preocupação com a sustentabilidade. Será uma olimpíada que nos mostrará como tecnologia e inovação se aliam a sustentabilidade – como por exemplo, as medalhas que foram feitas com lixo eletrônico reciclado.

E, em 2022, teremos a Copa do Mundo no Catar. Será uma copa do mundo da renovação. O país vem há tempos se preparando para o principal evento futebolístico do mundo e para tal está construindo uma nova cidade para receber a abertura e final do evento.

Um universo de novas oportunidades, ações, investimentos e eventos está por vir a todo vapor. Temos que estar preparados!

CONCLUSÃO

Considerando o cenário atual, vemos que o cenário muda semana a semana, conforme a evolução dos casos de COVID-19, e, principalmente, por dependerem de ações dos governos quanto ao que será definido como “novo normal”.

Cabe a nós, profissional de eventos, estarmos atentos, observar e nos preparar para o “novo normal”.

Espero que tenha gostado! 🙂

Deixe o seu comentário no final deste artigo 🙂

Sucesso em Seus Eventos!

Vivian Kadowaki – Empresária e Expert em Eventos

Contribuição: Murilo Sola – Empresário e Expert em Eventos

CLIQUE sobre o ícone, compartilhe este artigo e leve conhecimento para outros profissionais de eventos. 

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on google
Share on email

Este post tem 4 comentários

  1. Winnie Nogueira

    Agradeço desde já por este artigo.
    Para os profissionais de evento, muitos perguntas ficaram sem resposta e através deste artigo podemos ver uma luz no fundo do túnel, a possibilidade de nos reinventarmos e fazermos de um limão uma boa limonada.

    Obrigada
    Sucesso para vocês

    Winnie – Portugal

    1. Murilo Sola

      Oi Winnie, tudo bem? Nós que agradecemos a oportunidade em poder contribuir! Feliz também por ter você aqui com a gente! Sucesso em seus Eventos 🙂

  2. Thiago

    Obrigado e parabéns pelo conteúdo!
    Momentos difíceis requer novas posturas, criatividade…

    1. Murilo Sola

      Oi Thiago, como vai? Que bom que gostou! Exatamente isso! Como profissionais de eventos temos que nos adaptar! Sucesso em seus Eventos! 🙂

Deixe um comentário